O Mito do Longo Prazo

O longo prazo é uma das expressões mais utilizadas no poker, seja por aqueles que têm uma boa noção do que ela significa, seja por jogadores ainda inexperientes, que fazem pouca ou nenhuma ideia do que estão dizendo.

É muito comum jogadores recém chegados ao meio ou que acabaram de ganhar auto-estima como jogador, repetirem termos e práticas de jogadores já consagrados. Talvez seja esse o motivo de tanto escutarmos a expressão “o longo prazo chegou’. Será que chegou mesmo?

O longo prazo é um estado ideal, uma utopia, a nossa sombra quando caminhamos na praia em um dia de sol. Não iremos jamais alcançá-lo! Mas como toda utopia ele presta um serviço incrível: ser uma diretriz, um guia para nossas decisões, um alvo para mirarmos com afinco.

O longo prazo serve para descrever o momento em que a matemática opera de forma perfeita e isso acontece apenas quando ela tende ao infinito. Contudo, jamais jogaremos um número infinito de torneios, portanto o longo prazo é um mito, já que não pode se concretizar.

Quando jogamos um torneio de poker, estamos trabalhando basicamente com a sorte. Pode parecer triste essa declaração, mas é exatamente dessa forma que vejo. No entanto, à medida que jogamos mais torneios e nos aproximamos do infinito, a sorte vai sendo gradativamente diluída, mas ela nunca chega a zero.

Imaginem o Barcelona jogando contra o União São João de Araras. Um massacre não é mesmo? Agora, pensem num cenário em que eles jogam apenas uma partida de 5 minutos. Seria um jogo bem mais equilibrado, acabando em empate a maioria das vezes, não é verdade? Agora, visualizem um cenário em que eles jogam 30.000 partidas de 5 minutos. Fica claro que o Barcelona vai ganhar mais vezes que o União, apesar de a maioria dos jogos terminar em empate. Essa é a lógica dos torneios de poker.

Não caiam na cilada de ficar repetindo isso ou aquilo que dizem por aí só porque foi dito por alguém que você respeita e admira. Formule suas convicções a partir dos fatos que você consegue identificar. Isso faz toda a diferença em qualquer coisa que você faça em sua vida.
Não estou dizendo que fulano ou ciclano não sabe o que é o longo prazo, mas posso afirmar que muita gente, que trata do assunto nos breaks de torneios, Brasil a fora, não faz a menor ideia do que está falando. Eles são meros repetidores de ideias alheias e isso não lhes presta nenhum serviço.

Falar desse assunto, me fez relembrar de uma frase que os jogadores consagrados do Live, falavam para jogadores do online, quando ainda havia uma rixa entre eles: “eu quero ver quem sobreviverá ao teste do tempo”, sendo este, a meu ver, o maior indicador de sucesso de um grande jogador, justamente pelo fato de sua amostragem de jogos aproximar-se do infinito, além das inúmeras experiências e testes que o passar dos anos nos coloca à prova.

Hoje essa rivalidade não existe mais ou perdeu quase que toda sua força, já que os jogadores do online dominaram também o cenário Live e fizeram a velha guarda se render, mas esse seria um assunto para outro post.
Nos vemos no pano!

Abraços,

Chenaud.

#PokerNossaVida

Já pensou em desistir?

Essa semana um aluno do LineUP WhatsApp falou que iria desistir do poker, que já não aguentava mais, que a trajetória estava sendo muito sofrida e ele parecia não caminhar rumo aos seus objetivos etc

Imediatamente, me veio à mente todas as vezes que eu havia pensado em desistir. Como num estalar de dedos, vários episódios passaram como um filme na minha cabeça e eu lembrei que havia pensado em desistir do poker um milhão de vezes.

Ficou claro para mim algo que, até então, não estava: quanto mais a gente pensa em desistir, mais a gente se aproxima do lugar aonde quer chegar.

Eu, com certeza, pensei seriamente em desistir um número de vezes bem maior do que aquele meu aluno. O João Simão, maior jogador que o Poker brasileiro produziu até hoje, pensou em desistir dez milhões de vezes e eu estive ao seu lado em algumas delas, por isso me veio à lembrança.

No final das contas, quanto mais alto o lugar que você se encontra, mais vezes você pensou em desistir; mais frequentemente se deparou com aquele sentimento angustiante de impotência, que nos toma por inteiro nessas horas; viu suas energias esgotadas a ponto de acreditar que não aguentaria dar nem mais um passo rumo aos seus sonhos.

Fiquei com vontade de escrever isso, sobretudo por dois motivos.

O primeiro deles é glorificar aqueles que estão no topo de suas atividades. Quem não vive a batalha de viver um sonho, no fundo, não sabe o que essas pessoas passaram e passam(não acaba nunca). Não tem como saber, quando não se vive aquilo. A especulação é sempre imprecisa. É mais fácil acreditar que elas têm talento, que têm sorte, que a vida foi generosa com elas. Não foi!

Esses caras comeram o pão que o diabo amassou por anos a fio, abrindo mão de inúmeras coisas, brigando com os seus fantasmas, dizendo não para o caminho mais cômodo- dar um passo atrás e recuar para fazer algo aparentemente mais seguro. Essa falsa ideia de segurança cobra um preço muito caro, sem contar que o caminho para atingir excelência em qualquer área passa por isso. Você abandona o poker hoje e vai viver exatamente a mesma coisa em outro segmento. Em suma, ou você se conforma com a mediocridade ou invariavelmente vai ter que desbravar esse caminho de muito sangue e suor.

O segundo motivo para eu escrever esse texto é encorajar aqueles que estão vivendo esse momento. Você está no caminho certo irmão! Se você não pensa em desistir, não está trabalhando no limite e consequentemente está longe dos seus objetivos. Ninguém aguenta operar no limite o tempo todo, mas é fundamental que siga trabalhando, mesmo nos momentos mais difíceis, ainda que apenas com 60% da sua capacidade. Uma hora as respostas aparecem, a percepção dos cenários fica mais clara, as decisões melhores e os nossos sonhos mais perto.

Mantenha-se firme nos trilhos e viva a plenitude da vida! Essa é a minha batalha e dela eu não abro mão.
Já pensou se o João Simão tivesse desistido? Quanta coisa maravilhosa ele teria deixado de viver.
Quantos João Simão o mundo perde todos os dias?
Será que você não é um deles?

Essa resposta a gente só tem lutando e não é em um ano ou dois que ela aparece.
O João pensava em desistir quando todo mundo já falava que ele era gênio. Quando ele já ganhava valores significativos e já jogava bem caro. Já era campeão do WCOOP, inclusive. Falo isso para vcs não acharem que o cara pensa em desistir quando não conquistou nada. Mentira! O cara pensa em desistir quando a realidade não corresponde às suas expectativas. Os grandes, no entanto, encontram um jeito de seguir adiante e tem as maiores expectativas, logo os maiores desafios,do contrário não seriam grandes.

O poker me ensinou isso e já há algum tempo não penso mais em desistir. Entendi o caminho e toda vez que a vida parece puxar o meu tapete, eu bato forte no peito e digo- vou me entregar mais.

Quer subir ao céu? Esteja preparado para, antes disso, descer ao inferno muitas vezes. Muitas mesmo!

Fiquem com Deus, tenham fé em vocês, na existência e sejam fortes para seguir em frente. Essa é a única exigência para o sucesso. Fazendo isso, os caminhos se abrem de uma forma ou de outra, mas não será rápido. Pode levar dez, vinte, trinta anos, que seja… mas se você ainda estiver lá, a vida uma hora há de se render e proporcionar aquilo que você tanto lutou para alcançar.

Abraços,
Chenaud.

#PokerNossaVida

Os 3 requisitos dos Suited Connectors

Hoje eu vou apresentar para você três requisitos cruciais para jogar suited connectors (SC) com lucratividade.

Legal Chenaud, quer dizer então que se faltar um desses requisitos eu não consigo jogar SC de forma lucrativa?

Foi quase isso que eu quis dizer. Vale a pena ressaltar a importância desses requisitos no aumento da sua taxa de lucratividade. Eles vão possibilitar que você, ao menos, deixe de ser perdedor com essas mãos de grande potencial e que certamente passará a ganhar mais quando já for lucrativo, mas ainda não tão rigoroso na escolha dos cenários. Quão mais rigoroso você for nessa escolha, maior será o seu ROI naquele cenário. Eventualmente, contudo, você conseguirá encontrar alternativas lucrativas em que pelo menos um desses requisitos estará ausente, no entanto se você estiver em alerta para selecionar apenas os cenários em que os três requisitos estejam presentes, eu lhe asseguro que vai ganhar bastante dinheiro com SC.

Maravilha Chenaud, me fala aí desses requisitos então!

O primeiro deles é a profundidade dos stacks envolvidos. SC são mãos de grande potencial porque desenvolvem muito bem no jogo pos-flop, fazendo nuts, semi-nuts, acertando muitos draws e backdoors, possibilitando assim que você brigue mais pelo pot, resistindo até o river.

O segundo requisito está totalmente alinhado com o primeiro- posição, um dos conceitos mais importantes e malmente assimilados do poker.
Jogar SC sem posição é como ter um timaço de craques no futebol, mas que joga com dois a menos em campo.
O benefício da posição é crucial para ganharmos os potes em que temos vantagem de range sobre nosso adversário. Somando-se isso à excelente equidade que nossa não tem contra os ranges de abertura pre-flop, nosso mapa da mina está quase todo desenhado.

Falta apenas o último e não menos importante requisito- ser o agressor da mão.
Faz toda a diferença quando você é o cara que dita as regras do pote, você escolhe o valor que aposta, define se vai partir pra dois ou três barris, se vai ver uma free card no turn. SC são mãos maravilhosas para jogar 3betando pre-flop com stacks superiores a 50 bbs porque você representa a parcela mais forte do seu range (AA,KK,QQ,AK,AQ) e se encontra ali no meio de campo (78s, 89s, 9Ts, TJs).
Dessa forma, você consegue jogar praticamente todo bordo de maneira lucrativa, fazendo o adversário foldar bem mais do que deveria.

Haverá cenários em que um ou mais requisitos estarão ausentes e ainda assim você conseguirá ser lucrativo (defesa do BB por exemplo) mas o seu foco não deve ser na exceção. A regra que eu aplico é bastante rigorosa quanto a presença dos três requisitos essenciais para aumentar a lucratividade dos SC, relativizando-a o mínimo possível.

Por fim, quero deixar o exemplo clássico de pouco rigor na escolha do cenário para se jogar SC. Defender o SB com stacks inferiores a 30bbs. Neste cenário, você deixou de lado os três requisitos e pagará um preço altíssimo por isso. Até mesmo os jogadores mais gabaritados do mundo terão dificuldades de ser lucrativos nesse tipo de cenário. Ainda assim, o field teima em investir suas fichas, acarretando na perda de potes gigantescos ou vitória em potes pequenos. Fuja dessa cilada!

Um grande abraço e nos vemos nas mesas,
Chenaud.

#PokerNossaVida

Série Spots LineUP

E aí turma, tudo certo?

Por aqui seguimos a todo vapor, são vários projetos em paralelo demandando bastante dedicação e foco da nossa parte, mas como nosso compromisso com vocês de trazer um material de qualidade pra nós é uma obrigação, temos uma grande surpresa.

Há uns 2 anos Raul Oliveira e Guilherme Chenaud participaram de um projeto que por motivos comerciais acabou não indo para frente, mas durante esse projeto eles gravaram mais de 60 spots. Isso mesmo mais de 60 Spots (análises de mãos) que vamos estar disponibilizando semanalmente aqui para vocês.

Apesar do projeto não ser do LineUP, achamos justo não perdermos esse material precioso, assim conversamos com os responsáveis, no caso amigos nossos, que autorizaram para que usássemos em prol da comunidade.

Então pelos próximos 15 meses, isso mesmo 15, vocês receberão semanalmente uma análise inédita de uma mão feita pelos craques do LineUP.

Mas não achem que por isso vamos nos acomodar por aqui! Em breve traremos novos conteúdos e grandes novidades como sempre o LineUP faz.

Para acessar nossa playlist do YouTube com todos os SPOTs que saíram até o momento , basta clicar aqui.

A mais rara virtude

Se me perguntassem qual a maior virtude que um jogador precisa desenvolver para ter uma carreira sólida e duradoura no Poker, eu não hesitaria um segundo para responder – a capacidade de poupar dinheiro. Essa é também a virtude mais rara e negligenciada.

Talvez esta afirmação te deixe boquiaberto num primeiro momento, mas espero ser compreendido, após elencar as minhas razões para tal.

Poker é um jogo extremamente exigente, especialmente pela frustração que impõe rotineiramente aos seus praticantes. Esta carga emocional, difícil de lidar, não raro leva os jogadores à beira da loucura. Nestes moldes, fica fácil identificar que ter dinheiro guardado contribui muito para se harmonizar com essa realidade.

Outro aspecto relevante que poupar dinheiro proporciona é que essa virtude acaba sendo uma diretriz de como tomar decisões também dentro da mesa. Jogadores que não poupam, tendem a agir de forma descuidada tanto na seleção de torneios quanto na aplicação de suas linhas de raciocínio. Ao longo da minha carreira, não foram poucos grandes jogadores que presenciei a ascensão e posterior sumiço do cenário. Claramente, a má administração de seus recursos foi o ponto-chave para isso acontecer.

Existe uma outra característica marcante nos jogadores de sucesso, que poupar dinheiro muito contribui para a lapidação do seu caráter – honestidade.

A honestidade é um dos bens mais valiosos que um bom caráter carrega consigo. Não me atreveria dizer, nem por um instante, que a ausência de dinheiro impede o desenvolvimento pujante dessa virtude, mas afirmo sem titubear que o dinheiro facilita demais o caminho da honestidade. O ser humano quando passa por situações críticas, de extrema necessidade, fica mais suscetível a ter desvios de caráter. Eu vi isso de perto uma quantidade de vezes suficiente para não mais me surpreender com o surgimento de novos casos.

Eu poderia seguir falando, sem parar, dos inúmeros serviços prestados pelo ato de poupar dinheiro, mas fatalmente esse artigo não chegaria a um ponto final. Felizmente, esse argumento da honestidade me parece forte o bastante para não precisar de nenhum outro. Ademais, a carreira de um jogador é repleta de altos e baixos e eventualmente você poderá precisar de um ombro amigo que te estenda a mão. Um espírito íntegro, dotado de honestidade tem muito mais chances de ser amparado no período de vacas magras.

Para despedir-me, quando a ética não for motivo suficiente, deixo-lhes um incentivo com a aula do grande Jorge Ben: “Se malandro soubesse como é bom ser honesto, seria honesto só por malandragem.”

Fiquem com Deus e nos vemos nas mesas!
Abraços,
Chenaud.

#PokerNossaVida

Um 2018 de realizações para você!

Nesta época do ano é muito comum as pessoas pararem para estabelecer metas. Algumas odeiam fazer isso mas fazem, outras não gostam e não fazem e tem ainda aquelas que adoram fazer e fazem.
Independente do grupo que você se encontra, eu, que já estive em cada um deles, posso garantir a importância de estabelecer metas e quão mais minucioso e detalhista você for nesta tarefa, maiores serão os resultados.

Eu costumo falar que sair para trabalhar todo dia, sem saber aonde fica o local de trabalho, não vai te ajudar a executar as tarefas que você precisa, porque você não vai sequer chegar lá.

Estabelecer metas é se prestar um grande serviço. É investir energia em algo que vai gerar CLAREZA para você. O tempo que você gasta agora, nesta tarefa, fará com que você poupe muito mais tempo ao longo do ano. Esse é o único caminho para aumentar significativamente sua PRODUTIVIDADE. Sem isso, nos tornamos muito pouco competitivos.

Reconheço, contudo, que a maior dificuldade que as pessoas se deparam está no cumprimento e não na formulação das metas. Executar é sempre mais trabalhoso do que planejar por que exige disciplina e superação para transpassar os desafios que surgem a todo momento.
Como aumentar nossas chances de êxito na execução?

Eu utilizo uma estratégia que muito me ajuda quando a execução da meta sinaliza para algo difícil de se realizar: fragmentação da meta.

Funciona da seguinte maneira- digamos que sua meta seja tornar-se um jogador profissional de Poker. Como se comporta um jogador profissional? O que ele faz para se preparar antes de jogar? Quais habilidades ele possui? Qual tipo de conhecimento ele busca?

Ao fazer perguntas relacionadas com a realidade que você deseja alcançar, fica mais claro enxergar de trás para frente o que precisa ser feito para chegar lá. A esse processo eu denomino fragmentação da meta e ele é extremamente poderoso.

Respondendo as perguntas que fizemos acima, ficará ainda mais claro o objetivo de fragmentar a meta.

Quais habilidades o jogador profissional possui? Paciência, determinação, capacidade técnica, níveis elevados de concentração, etc.
O próximo passo é se perguntar como que você adquire essas habilidades ou como você as potencializa quando já as tem. E por aí vai.

Ex: Para aumentar minha capacidade técnica eu preciso estudar mais. Estudar mais quanto? Aonde? De que forma?

Ao agir desta maneira questionadora, você consegue identificar exatamente o que precisa ser feito para alcançar sua meta, que as vezes parece abstrata demais para sinalizar um caminho, como essa por exemplo de se tornar um jogador profissional. Trabalhe com esse modelo de fragmentação da meta e sinta quão mais eficazes e bem definidas serão suas ações no dia-a-dia.

Um feliz 2018 a todos e que seja um ano de transformação em nossas vidas!
Abraços,
Chenaud.

#PokerNossaVida

PARABÉNS AO CAMPEÃO BAIANO DE POKER, IURI MARTINS!

No final de 2016, Iuri Leite Martins estava apaixonado pelo Poker e procurava um curso para aprimorar sua habilidades como jogador 📈

Conheceu então o LineUPpoker, matriculou-se no primeiro curso oferecido pela empresa e foi o grande destaque desse período de aprendizado. Iuri acumulou 28.000 dólares de LUCRO em um intervalo de 3 meses 😳💸

Nosso aluno, como não poderia deixar de ser, começou 2017 muito empolgado com seus resultados recentes e debruçou-se mais e mais para aperfeiçoar suas habilidades. Chegou a fazer parte do LineUP Poker Team e seguiu acumulando vitórias ao longo do ano.

Após uma acirrada disputa até a última etapa, finalmente pudemos brindar a vitória do nosso aluno Iuri Leite Martins, que sagrou-se campeão baiano de 2017 🏆

O LineUP Poker parabeniza seu aluno pelo feito memorável 👏👏👏
São histórias como essa que fazem nossos olhos brilhar de felicidade.

Compartilhar conhecimento é a nossa missão 👊
#LineUpPoker 📈🆙

#PokerNossaVida

LineUP entrevista Rafael Ortolan, 3º Colocado no BSOP Millions 2017 e prepara surpresa para o final. Confira!

O ano de 2017 vai chegando ao fim, mas com certeza deixando muitas emocionantes histórias para o Poker nacional. Esse foi mais um ano onde o Poker mostrou toda sua força, seu crescimento e a forma incrível com que virou uma paixão nacional. Nós do LineUP ficamos muito felizes de participar desse momento de forma tão intensa e presente.

E para coroar nosso trabalho constante em ajudar as pessoas a alcançarem seus objetivos dentro do mundo do Poker, tivemos o prazer de ter um aluno tirando 3º lugar no BSOP Millions e levando para casa quase meio milhão de reais. Na entrevista abaixo você pode conhecer um pouco mais sobre Rafael Ortolan e sua trajetória no jogo até esse monstruoso resultado

  

Para gente começar a entrevista fale um pouco sobre você, quantos anos tem, onde mora e o que faz atualmente?

“Tenho 21 anos, sou do interior do Mato Grosso, Campo Novo do Parecis. Sou empresário. Com o Poker eu comecei há dois anos, desde o início eu comecei estudando, quando comecei com o jogo já procurei me informar melhor, ir atrás de conhecimento, sempre procurando ter os melhores como referência.

Já fui atrás de coachs e cursos que me ajudaram muito mesmo! Meu primeiro ano foi excepcional, não tenho do que reclamar, tive muitas vitórias, muitos bons resultados, consegui cravar alguns torneios nesse meu primeiro ano jogando com jogadores bem experientes aqui do estado e da região e a partir da minha primeira cravada foi da onde veio a minha maior inspiração, fui atrás de conhecimento e não parei de estudar. A partir daí, o jogo começou a fluir, sempre me mantendo entre os melhores, sempre me mantendo com bons resultados, e isso me incentivou muito a continuar na estrada.

2017 é o segundo ano (jogando poker) e esse ano não foi como ano passado, no decorrer do ano, digo. Tive um começo do ano muito bom onde cravei um High Roller e depois desse High Roller, só traves… Consegui estar sempre em ITM, me dediquei um pouco mais ao cash game também nesse ano onde tive bons resultados e, do meio do ano para cá, me aprofundei ainda mais nos estudos, comecei a fazer bastantes reviews de mãos e me preparei bastante, desde o início do ano vim focado para o BSOP Millions, sempre estudando e com foco principal no BSOP Millions mesmo.

Ainda não sou profissional, mas vou correr atrás agora para tentar me profissionalizar pra entrar em 2018 já indo atrás da minha carreira. E vamos lá, 2018, se Deus quiser, vai dar tudo certo.”

Foi a 1a vez que jogou o BSOP?

“Não, esse foi o segundo BSOP que eu participo, participei do Millions ano passado e esse agora.”

Sobre o torneio, em que momento pensou “Agora vai!”? Rolou alguma mão decisiva ou foi construindo seu stack aos poucos?

“Então, não tem nenhum pot decisivo, uma mão decisiva, um pot muito grande onde eu consigo construir o meu stack rapidamente, sempre foi de pouco a pouco, sempre remando ali, como se diz. O interessante desse BSOP pra mim no Main Event é o seguinte:

Todos os dias, dia 1, dia 2, dia 3 até o dia 4, todos esses dias eu consigo construir um stack muito confortável durante todo o dia e nas últimas mãos eu sempre acabo perdendo bastante ficha. No dia 3 para o dia 4, se não me engano, tem uma mão que eu abro JJ e o Kowalski me “3beta”, quase all-in, deixa 5bb para trás, aí todo mundo folda eu vou de all-in e ele dá call, ele tem 44 eu tenho JJ, ele segue e eu perco um pot de 1,8kk fichas, logo depois eu perco mais um pot de 2kk onde eu tenho duas pontas, duas overs e não bate, isso tudo no final do dia. Eu acho que até não dá pra reclamar sabe? Se tivesse uma hora pra escolher pra eu perder essas fichas, eu acho que teria escolhido realmente no fim desses dias, pois aí eu não tiltava, consegui sempre manter a minha cabeça no lugar, passava um pouco e acabava o jogo, ia pro hotel, conseguia me concentrar e voltava totalmente renovado.

Chegava no outro dia, eu conseguia sentar 100% focado, mentalizado, recuperar aquelas fichas e construir um stack novamente muito saudável. E ai todas as vezes que eu sentava na mesa e conseguia jogar meu A game eu sempre pensava “Cara, é só continuar assim, sem tilt, manter a cabeça no lugar, focado que a gente chega lá.” e foi isso, tiveram alguns pots também onde eu blefo até river em posição e os colegas largam dando showdown, ganhando onde eu me sinto muito confiante e nisso eu mantenho meu A game, o jogo flui e a gente vai pra mesa final.”

Como foi a emoção de ter seu nome chamado ali na hora da mesa final? Acredita que conseguiu manter o seu melhor jogo nos momentos decisivos da FT?

“Ser chamado na mesa final do BSOP Millions é algo indescritível, é a realização do sonho de qualquer pessoa, de qualquer jogador que sabe a grandeza que esse torneio é. Logo que me chamaram parecia que eu estava em um sonho só que na hora que eu sentei na mesa já coloquei o pé no chão e falei “Não, agora é a hora de trabalhar, focar mais do que nunca e vamos pra cima, com muita fé, muito confiante e muita alegria no coração.” Cheguei na mesa short stack, eu era o short stack da mesa, logo no início eu consegui a dobra e a partir daí consegui voltar pro jogo, ter jogabilidade e fazer o meu melhor.

Consegui sim manter meu A game nos momentos mais decisivos, sempre jogando mão após mão sem deixar com que mãos passadas interferissem na mão atual  ou nas próximas mãos e sempre com muito foco, cabeça no lugar e dando sempre o meu melhor.”

Você foi aluno do LineUP 2.0 certo? Como avalia a importância do curso na sua evolução? Você se deparou com algumas situações discutidas durante o curso no torneio?

“Sim, fui aluno do LineUP. Com certeza esse curso teve grande importância, foi um diferencial nesse meu torneio, me deparei com várias situações discutidas durante o curso, principalmente sobre blocking bet, squeeze, usei muito dessas ferramentas onde eu conseguir aprimorar bastante com o curso e, com certeza, o curso teve grande importância mesmo nesse torneio.”

Quais são seus planos futuros em relação ao Poker?

Bom, pretendo me profissionalizar agora em 2018, tive algumas propostas de alguns times, pra conseguir pegar mais experiência e sempre estar em constante evolução porque o jogo não para, você não pode parar no tempo, tenho muita fome de conhecimento, sou novo, sempre sempre sempre quero estar estudando, sempre estou estudando, sempre buscando mais informações, sempre tentando melhorar meu jogo e com certeza esse ano de 2018 vai trazer muitas vitórias, muitas felicidades e com fé em Deus vai dar tudo certo.”

 Agora a pergunta que todos sempre querem saber, o que pretende fazer com a nota preta (R$446k) que recebeu e como foi a comemoração aí em MT dos amigos e da família?

Esse dinheiro eu vou aplicar da melhor forma possível, vou fazer alguns investimentos seguros e que me tragam retornos lucrativos, parte dele será como meu bankroll para que eu possa jogar tranquilo, confortável os próximos torneios e investir na minha carreira também.

A comemoração aqui na minha cidade foi incrível, não só da minha cidade como no Estado, quando eu cheguei na capital eu já fui recebido com muitos aplausos e a galera me parabenizando, me dando muitos abraços. Foi uma festa muito linda, na minha cidade também, quando eu chego na minha casa está todo mundo me esperando com muita alegria, muita felicidade no rosto, foi uma emoção indescritível mesmo, uma coisa que só quem passa que sabe, mas felicidade é o que resume tudo.

Para encerrar, qual dica você deixa aqui para turma que está começando e sonha com uma mesa final e uma premiação como essa?

“A dica que eu deixo pra quem está começando e sonha em fazer uma mesa final como essa é que sempre estejam em busca de evolução constante, sempre com muita fome de conhecimento, muita fome de sabedoria, sempre procure evoluir o seu jogo dia após dia, nunca deixe aquele pensamento de que você é bom o bastante e que não precisa estudar agora, esse tipo de pensamento. Isso só vai te atrasar isso só vai te levar pro fundo, sempre pense, sempre seja confiante, tenha autoconfiança. Nunca pense “Ah, será que eu consigo?”, pense assim “Eu consigo, eu sou capaz e eu vou atrás!” mas para isso saiba que você precisa realmente ir atrás, você precisa se esforçar, você precisa trabalhar, você precisa estudar pra isso. E nunca deixe de sonhar, sempre sempre sempre sonhe, se não deu a primeira vez, tente a segunda, se não deu tente a terceira, se não deu, tente a quarta e assim por diante, um dia você chega lá e será recompensado por todo o seu esforço, por todo o seu trabalho.”

Aproveitando a pergunta sobre o seu futuro no jogo, você quer entrar para o time do LineUP?

“Não tem como recusar uma proposta dessa, Raul Oliveira, Chenaud e Bruno Foster no comando é a realização de mais um sonho, chego a me emocionar de verdade. Até tinha conversado com o Chenaud, cheguei a jogar com o Chenaud uns dias lá e conversei com ele e tinha até brincado com ele “Ó vou esperar o convite” e pô, de verdade de coração, muito obrigado, com certeza, com certeza quero fazer parte sim do time e quero aprender e crescer, evoluir, junto com vocês. Pô, estou muito emocionado, me pegou de surpresa aqui irmão, obrigado, de verdade, de coração.”

A equipe LineUP Poker agradece Rafael Ortolan, que gentilmente concedeu esta entrevista por áudio.

É com muita alegria que damos às boas-vindas à Rafael ao time LineUP. Ele disse siiimm!

Agora, Rafael Ortolan é LineUP Poker!

 

Não seja preguiçoso!

A evolução no poker não passa por um modelo de aprendizado preguiçoso. Ainda que você compreenda bem isso, muito provavelmente não está agindo de acordo, nas mesas.

O poker evoluiu muito rapidamente nos últimos cinco anos e já não há mais espaço para o jogador talentoso e desleixado se sobressair sobre seus adversários. Haverá ainda menos espaço, para esse perfil de jogador, nos próximos anos. Para aqueles que ainda não ocupam um lugar ao sol e querem fazê-lo, o trabalho deve ser ainda mais dedicado e metódico.

O que me levou a falar sobre isso, neste artigo?

Depois que eu comecei a minha trajetória como instrutor de time e professor de cursos de poker, pude notar claramente essa lacuna no aprendizado dos jogadores – tratar o geral como específico e o específico como geral.

O poker é um microssistema da vida, logo quão mais minucioso e detalhista você for nas suas análises, maiores serão suas chances de encontrar uma melhor decisão subseqüente.

Um exemplo claro dessa generalização preguiçosa, que muito atrapalha a qualidade das decisões dos jogadores menos dedicados, é tratar todo “fish” como uma coisa só.

Acho muito curioso como diversas decisões com fundamentos equivocados, são justificadas com “o adversário era um fish, então eu optei por…”
“Dei esse call no River porque o cara era “fish” e jogava toda mão”
Essa análise pobre pode prejudicar absurdamente a qualidade das suas decisões e também a sua evolução no poker.

Quando você rotula um jogador como fish, é fundamental que você categorize ele. Siga observando atentamente o seu comportamento objetivando enxergar padrões, porque ele pode ser fish por jogar muitas mãos marginais, porém não blefar nunca o River (a segunda ação não é uma consequência natural da primeira). Ele pode ser fish por pagar todos os 3bets, ou ainda por não defender o Big Blind numa frequência mínima satisfatória. Pode ser fish porque paga muito e aposta pouco, ou por apostar sempre o pot em todas as streets. Enfim, não dá para você rotular o cara como fish e ficar satisfeito com essa qualificação. É muito pobre e não atende as suas necessidades para tomar decisões melhores.

O outro lado da moeda também ocorre bastante- generalizar eventos específicos e tratá-los como verdade absoluta.

Exemplo: você da raise e toma dois 3bets seguidos do mesmo oponente. Imediatamente já rotula o cara como super agressivo que 3beta bastante light etc sem levar em conta que o cara pode ter recebido duas mãos de grande valor.

Esse rótulo indevido vai lhe custar lá na frente uma decisão importante, porque você vai interpretar mal a pessoa por pura preguiça de analisar o cenário com uma profundidade maior. Seguir observando o comportamento do adversário é fundamental nesse processo de conhecimento.

É preciso fazer mais, muito mais que isso. Há de se fazer notes o mais específicas possíveis para otimizar suas decisões contra todo adversário que enfrentar. Jogue menos mesas e se acostume a fazer notes com essa qualidade. Você vai perceber como o seu ajuste em relação a cada adversário vai melhorar consideravelmente.

É muito importante você analisar com precisão e depois concluir qual a melhor solução para esse comportamento do adversário. Jamais contentar-se em estabelecer padrões a partir de rótulos empregados de forma preguiçosa, sem nenhuma responsabilidade. Não seja o cara que justifica seu insucesso pela incapacidade do outro de entender suas jogadas. Se as suas decisões não vem trazendo resultados positivos, tenha certeza que você tem bastante espaço para melhorá-las e a solução para isso não passa por reclamar da jogada dos adversários ou rotulá-los como fishes.

Em cada rótulo de fish, existe um ser humano por trás, carregado de peculiaridades que o definem. Mergulhe no mundo desse adversário e tome melhores decisões a partir de ajustes cirúrgicos. Desenvolva empatia para respeitar esse cara, compreendê-lo melhor e se ajustar a ele com maior precisão.  Acima de tudo, respeite a abordagem do fish com o poker. Ele também pode te ensinar algumas linhas extremamente interessantes.

Mãos à obra e nos vemos no pano.
Abraços,
Chenaud.
#pokernossavida
🚀🚀