WSOP 2017

Como muitos de vocês devem ter acompanhado, eu passei 15 dias em Vegas jogando Poker (1-15 Junho). Quero compartilhar um pouco da experiência que vivi nesses 15 dias de muita action, duas deep runs e bastante aprendizado.

Essa foi a minha terceira vez na cidade do pecado. Havia 5 anos que eu não ia lá, apesar de todo ano fazer planos pra ir no ano seguinte. A verdade é que jogar em Vegas é muito caro e a decisão de ir pra lá tem que ser pensada e planejada de forma minuciosa pra não haver contratempos e sustos maiores. As duas primeiras vezes que visitei a capital mundial do jogo, passei apenas uma semana e joguei poucos torneios. Apenas um WSOP de $1000 em cada uma delas e alguns torneios paralelos. Dessa vez, tive a oportunidade de passar mais tempo e fazer uma reta maior, o que me deixou muito feliz.

Já de cara, uma grande lição que aprendi nas duas primeiras viagens, e pude tirar proveito nessa terceira, foi o fato de saber que Vegas não é brincadeira pra criança. Aquela cidade realmente testa os nossos limites. As tentações são inúmeras (cassino, festas, mulheres, torneios pra todos os gostos…). Atrelado a tudo isso ainda temos as dificuldades do clima, do fuso-horário, da alimentação muitas vezes precária e a fadiga mental e física, em algum momento, bate à nossa porta.
Não foi à toa que escolhi passar apenas 15 dias em Vegas.

O meu plano era o seguinte: passo 15 dias, faço uma reta relativamente barata, se forrar estendo a viagem porque estarei com o ânimo renovado. Caso o resultado desses 15 dias seja empate, prejuízo significativo ou lucro pequeno, volto pra casa com a consciência de estar fazendo o melhor negócio do mundo.

Sinceramente, eu acredito que se largar mal nos primeiros 15 dias, a chance do restante da reta ser um fiasco eh bem maior do que a de reverter esse cenário. O desgaste mental eh muito grande e os desafios aumentam a medida que vc começa pra trás. Muitas vezes o “fold” eh a decisão mais lucrativa ou a que menos traz prejuízo no longo prazo. O que basicamente significa a mesma coisa, já que dinheiro economizado = dinheiro ganho.

Nesse período, joguei 9 torneios, sendo 5 eventos do WSOP( 2 ITM – 40%) e 4 torneios paralelos (1 ITM- 25%). Em um destes ITM que fiz no mundial, fiquei em 99 lugar de 18000 competidores. Na cara do gol pra arrumar 1.000.000 de dólares e mudar de vida, que é o sonho de todo jogador de poker. Infelizmente, as coisas não aconteceram como eu gostaria, mas a gente que joga há tanto tempo sabe como isso funciona. A única coisa que podemos fazer é a nossa parte bem feita e torcer pra vontade do baralho se alinhar com a nossa.

Apesar de ter ficado ligeiramente negativo na reta, principalmente por conta do imposto de 30%, considero os meus 15 dias em Vegas uma experiência maravilhosa. Tive chances de mudar de vida com uma premiação gigantesca, pude jogar contra alguns dos melhores jogadores do mundo, aprender com eles e o melhor de tudo – aumentar ainda mais a minha confiança pra buscar o meu tão sonhado Big Hit.

No próximo post, vou contar com mais detalhes o que aconteceu nesses torneios. Até lá, deixo aqui os meus sinceros agradecimentos pela torcida e apoio de todos vocês! Recebi muitas mensagens que me deram força nos momentos difíceis e isso faz toda a diferença no andamento dos torneios, já que eles são uma grande maratona.

Fiquem com Deus! Um grande abraço e nos vemos em breve,
Chenaud.
#PokerNossaVida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *